quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Jogos, trapaças e mentiras

Esta é uma carta que eu enviarei para a parte mais secreta do teu coração. Sim, para que tu não saibas o que está acontecendo enquanto sente uma parte dele pesar, já que preferes não sentir culpa, e ter sempre certeza de que tomaste a mais correta decisão.
Escrevo esta carta por não gostar de fazer jogadas, por não gostar de enganar ou ser enganada, por não gostar de esconder o que penso por medo de torcerem minhas palavras, e as jogarem contra mim. Por não gostar e por ter medo de acabar sendo a derrotada por ter amado demais, e por ter sido honesta e sincera.
Preferia que empatássemos, ou mesmo, que tu ganhasses, mas que estivéssemos felizes no mesmo tabuleiro. No entanto, descobri minha expulsão muito tempo depois de ainda achar estar presente. Já me tinha tornado invisível aos teus olhos e nem sabia porque podia passar através de você, sem que me olhasses. Já existiam outras peças no tabuleiro avaliadas como mais valiosas para ti.
Admito que ainda estou sentada diante do mesmo tabuleiro, por opção insconsciente. Porque ainda gosto de te ver jogar, mesmo que não comigo. E admito que gosto de ver o sorriso desabrochar da tua face tão facilmente, mesmo que não seja eu quem o provoque. Talvez a beleza da minha derrota me atraia. Talvez eu te ame mesmo de qualquer jeito, sem que tu mereças. Talvez eu me sinta derrotada, sem ser. Não sei, ao certo. Só sei que detesto que se virem contra mim. E que interpretem erroneamente cada palavra minha.
Talvez devesse escapar de mim. Mas estou presa ao meu corpo. Sendo assim, deixo esta carta presa ao teu.

2 comentários:

Debor@h disse...

Linda Pétala, saudades de vc e daqui...

As vezes é difícil nos afastarmos de uma pessoa ou situação, nos sentimos apegados demais, mesmo contra nossa vontade, mas nada que o tempo não ajude, as vezes demora mas sempre superamos e encontramos coisas melhores, mil beijos carinhosos.

Pétala disse...

Põe difícil nisso, mas vendo pelo lado bom, se algum dia eu lançar um livro e ganhar nem que sejam uns centavos, vou ficar contente em saber que fiz uma limonada bem gostosa com um limãozinho que a vida eventualmente me ofereceu, kakakaka!

Beijos e pétalas.