segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Último pedido...

Estou cansada de sentir medo a cada vez que ouço tua voz, cansada de pressentir cada palavra fria que congelou fora dos nossos corações. Já sabes que tua presença ainda existe em mim, e penso que sempre existirá. Só não quero mais que meu coração fique apreensivo quando ouvir teu chamado. E peço-te encarecidamente que não volte ao meu portão chamar por qualquer nome. É a tua voz que não quero mais ouvir, porque ela já ecoa demais aqui dentro, e não preciso de ecos externos. Meu amor é uma folha vermelha enterrada no chão, que se desintegra lentamente, e aos poucos, vira uma lembrança, uma história, uma lenda...mas não tua voz. Tua voz permanece sempre para lembrar que existimos um dia. E por ser tão evidente que não consigo apagar teus vestígios, peço que tu mesmo o faça. Peço que saias do caminho dos meus olhos o mais rápido possível, e nunca olhe na minha direção, como agora. Tua presença é excesso dos meus pensamentos. Tua voz é sofrimento além do que posso aguentar. Afaste de mim tudo o que te pertence. Tenha o cuidado de estar sempre fora do meu alcance, para que nem meu inconsciente te procure. Construa teu novo castelo além do horizonte das ruínas do meu. E se, algum dia, precisar de mim, converse com o holograma que deixei na tua memória. Mas longe, sempre longe. Eu não sairei de onde estou, e nunca saí. Teus pés, que abandonaram tão habilmente seu lugar, é que devem agora continuar andando, sem parar. Agiria assim, se estivesse no teu lugar, mas não estou. Não volte ao lugar abandonado para ver se alguém pretende construir algo ali. Não faça perguntas, assim como me pediste. Mantenha uma distância que me faça sentir segura e inteira. O lugar certo será onde a névoa do tempo não permitir a tua nitidez. Porque tua proximidade aflora o pior de mim. Permito que sejas imortal, mas que sejas apenas uma sombra. Deixe-me florescer eternamente cinza, mas nunca em cinzas.
.
.
.
.

4 comentários:

Lampejos disse...

---
Difícil de entender a dor que matou esse amor.


P..S: eu mudei o endereço do lampejos...o novo é esse do atalho.

[obrigada]



abraços, flores,girassóis..:)

Fernanda Gonçalves disse...

Uma carta muitíssimo apropriada para não enviar. Texto lindo e incrivelmente tocante. A trilha sonora combina perfeitamente.

Mas provavelmente a pessoa em questão não é merecedora de um texto tão bonito.

Amei seus escritos. Seguindo já.

Beijinhos

Pétala disse...

Que bom receber notícias tuas, Lampejos, não podia te perder de vista, Deus me livre, já viciei nas tuas poesias tão lindas!

Fernanda, acho que todas temos cartas a não enviar. E a beleza da carta é que a pessoa, sendo merecedora ou não, jamais saiba da existência dessas palavras. Mesmo que leia, muito provavelmente não entenderia a profundidade. E obrigada mais uma vez pela visita, volte sempre que sentir vontade, tá?

Beijos e pétalas.

Evelyn Santos disse...

Tenho uma mania de reler todos os textos dos meus blogueiros preferidos e esse seu texto se encaixou perfeitamente no meu momento de agora.
Gosto muito daqui :))

Beijos